Buscar
  • Barroso, França & Álvares Advogadas

Descendentes de judeus sefarditas podem ter cidadania portuguesa?

Essa pergunta tem sido bastante comum.

Por esta razão, decidimos fazer um post para falar mais sobre a questão, esclarecendo pontos que costumam causar dúvidas e fornecendo dicas e encaminhamentos.

Confira o material preparado abaixo.

Quem são os judeus sefarditas?


Consideramos pertencentes ao grupo em questão os judeus que habitaram as regiões da Península Ibérica (ou seja, Portugal e Espanha) no final do século XV e foram perseguidos e forçados a se convertem ao catolicismo.

A circunstância fez com que muitos fugissem ou fossem retirados do território ibérico e buscassem asilo em outro local. O Brasil foi um deles.


Sou descendente de judeus sefarditas. Isso me dá direito à nacionalidade?

De acordo com o Decreto-Lei n.º 30-A/2015, descendentes podem, por meio da demonstração de pertencimento a uma comunidade sefardita oriunda de Portugal, solicitar a nacionalidade portuguesa, desde que cumpram algumas regras.

É preciso, por exemplo, que os indivíduos em questão sejam:

· Maiores ou emancipados – de acordo com a lei de Portugal;

· Que não tenham nenhuma condenação, com trânsito em julgado da sentença, pela prática de crimes que podem ser punidos com pena de reclusão de máxima ou igual ou superior a três anos.


Judeus sefarditas: sobrenomes podem ajudar os que desejam adquirir a nacionalidade portuguesa.


Quais são os sobrenomes considerados?

De acordo com o Decreto-Lei n.º 30-A/2015, de 27 de fevereiro de 2015, existem alguns sobrenomes que podem indicar ascendência judia sefardita.

Vale salientar: os sobrenomes não excluem a necessidade de documentos comprobatórios de descendência, são apenas indicativos.

Dentre os diversos sobrenomes citados no documento, estão: Abrantes, Almeida, Andrade, Avelar, Brandão, Brito, Castro, Carvalho, Costa, Dourado, Duarte, Fonseca, Furtado, Rosa, Henriques, Marques, Mendes, Neto, Nunes, Pereira, Pinheiro, Soares, Teixeira, Teles.

Leia o documento na íntegra para ver todos os nomes citados.


Como é feita a comprovação da descendência?

A prova de descendência pode ser feita por meio de estudos genealógicos, o candidato deve apresentar sua árvore familiar que demonstra ser ele descendente de judeu serfardita à Comunidade Israelita de Lisboa.

Para que seja solicitada a nacionalidade, o descendente deve obter o Certificado da Comunidade Judaica Portuguesa e estar dentro de todas as exigências da Lei de Nacionalidade (Lei nº 37/81, de 3 de Outubro).


Existem outros meios de comprovar?

O Certificado citado anteriormente segue como um dos documentos mais confiáveis e importantes.

Caso o descendente não tenha conseguido adquiri-lo, por razões de força maior, existem algumas opções que podem ser admitidos como prova.

Entre elas estão:

· Registros documentais, devidamente autenticados. Consideramos registros documentais títulos de propriedade, testamentos, registros de sinagogas;

· Documento autenticado pela Comunidade Judaica frequentada pelo indivíduo em questão, confirmando que o requerente utiliza-se de expressões portuguesas em ritos de ordem judaica ou que expressa-se pela língua falada entre os pertencentes a comunidade sefardita.



Quais outros documentos devem ser reunidos pelo requerente?

Além do Certificado da Comunidade Judaica Portuguesa ou documento igualmente válido, é necessário fornecer:

· Certidão de nascimento, emitida há menos de um ano e apostilada;

· Certidão de nascimento, emitida há menos de um ano e apostilada, do livro de registros de nascimento do requerente. É necessário que a fotocópia esteja em bom estado e legível;

· Atestado de antecendentes criminais, não apenas do Brasil, mas de todos os países em que o requerente tenha morado após completar 16 anos;

· Cópia autenticada e apostilada da carteira de identidade, junto com cópia autenticada do passaporte, dentre outros.

A solicitação custa 250 euros.

Quais são as etapas de aquisição da nacionalidade?

Como já comentamos, os sobrenomes podem nos dar indícios sobre a origem da família de uma pessoa. Como isso não é o suficiente aos olhos dos órgãos portugueses, é preciso seguir um “passo a passo”.

Primeiro, é feito o estudo genealógico do indivíduo que deseja ter acesso à cidadania portuguesa.

Após esta etapa, o especialista pode dizer se há possibilidade de descendência.

Sendo positiva a resposta, há a preparação de uma árvore genealógica e de um documento que comprove minuciosamente a ascendência do requerente.

O segundo passo consiste em adquirir comprovação da Comunidade Israelita, que deve dar fé ao estudo fornecido.

Após a reunião de documentos oficiais, é preciso dar entrada no processo perante as autoridades portuguesas.


A solicitação da cidadania portuguesa por parte de descendentes de judeus sefarditas exige cuidado.


É possível conseguir todos os documentos sozinho?

Não é recomendado fazer isso.

É preciso ter a ajuda de um corpo de especialistas, uma vez que o processo envolve o testemunho e a pesquisa de um genealogista, uma série de materiais e um cuidado bastante específico.

Se os documentos enviados forem considerados incompletos, o requerente terá que refazer a documentação e tornar a enviá-la. Ela pode ser, mesmo neste caso, considerada insuficiente.

Se isso acontece, as taxas investidas não são devolvidas ao requerente, que deve recomeçar o processo – o que, além de gerar frustração, atrasa o processo de obtenção da sonhada cidadania portuguesa.


Qual é o trabalho de um advogado nessa situação?

Além de dar suporte ao requerente e auxiliá-lo a preencher e organizar os documentos necessários corretamente, o especialista da área jurídica atua em múltiplos sentidos.

Por meio de consultoria, ele evita que o requerente tenha retrabalho, acompanha as minúcias do processo em curso e pode oferecer imediata ajuda diante de uma resposta do governo português.

Após conseguir a comprovação da Comunidade Israelita de Portugal (CIL), a equipe de advogados também atua para protocolar e acompanhar o procedimento em questão.

Para garantir que seu requerimento satisfaça aos requisitos exigidos pelas leis vigentes em Portugal e adeque-se aos melhores moldes de qualidade, conte com uma assessoria jurídica de qualidade.

Nosso escritório é especialista em Direito Migratório e conta com estudiosas e advogadas de excelência, com experiência internacional e sempre prontas para auxiliar.

Para aqueles que não podem comparecer ao nosso espaço ou habitam em outras regiões do país, oferecemos um exclusivo serviço de consultoria online.

Fale conosco para saber mais.


16 visualizações0 comentário